maio 01, 2008

O que importa esconder do exemplo finlandês.

“Los finlandeses, los europeos con mejores notas, tienen actividades deportivas todos los días.”

Há evidências nos estudos epidemiológicos que alertam para a importância da adopção de estilos de vida activos como meio de prevenir os riscos de doenças de essência hipocinética, das quais se destacam as cárdio-vasculares.
A adopção de estilos de vida cada vez menos activos, quando aliados aos problemas de obesidade, exige das entidades responsáveis pela Saúde Pública uma acção concreta dirigida à alteração de hábitos comportamentais. É necessário recorrer a um conjunto de estratégias diversificadas [a televisão e os meios de comunicação social jogam aqui um papel essencial] para sensibilizar as famílias para a necessidade de alteração dos seus hábitos de vida. A escola é chamada a colaborar. É indispensável convocar a educação física para dar o seu contributo. Apesar das recentes recomendações do parlamento europeu que desafia os estados membros a aumentarem o tempo semanal da Educação Física, o nosso governo parece incapaz de encarar o problema de frente. As pressões no sentido da redução da carga lectiva semanal fazem emergir o risco de se enveredar pelo caminho mais populista: a diminuição do peso das disciplinas pretensamente secundárias, entre as quais a Educação Física. Aliás, este caminho já foi iniciado, como comprova a presença muito subtil da disciplina nos cursos de educação formação, do ensino básico, e nos cursos profissionais, do ensino secundário.

E assim vamos cantando e rindo com a aposta centrada em programas de educação para a saúde inócuos já que se limitam a iniciativas esotéricas, como por exemplo, as acções de formação com “sabor a papel de música”. Há, no entanto, excepções que confirmam a regra: O programa Pessoa, ainda em fase de implementação, será desenvolvido no concelho de Oeiras e que parece bem desenhado para fazer face a este problema.

Isto vem a propósito deste texto da Glicéria e da sugestão de leitura do Ramiro Marques.

3 comentários:

Pedro disse...

Para divulgação:


Simpósio Sobre Eventos Desportivos e Investigação em Ciências Sociais
Campus Universitário de Almada do Instituto Piaget
8 e 9 de Maio de 2008


O Campus Universitário de Almada do Instituto Piaget organiza, nos dias 8 e 9 de Maio, um Simpósio subordinado ao tema: "Eventos Desportivos e Investigação em Ciências Sociais", em colaboração com a Federação Portuguesa de Futebol.

Esta iniciativa tem como objectivo enfatizar o papel dos eventos internacionais no reforço das identidades de cada país e nas relações de grupos, recorrendo à Psicologia e Sociologia do Desporto. Servirá de base o exemplo do Euro 2004, e a sua influência nas emoções e identidade social dos portugueses.

Neste evento ocorrerá o lançamento do livro “Identidade e Emoções em Eventos Desportivos: O caso Euro 2004“ (Cristina Sousa e Jorge Correia Jesuino, Coords.) com a apresentação por Vítor Serpa Director do jornal “A Bola”.

Destina-se a Investigadores, docentes, estudantes e organizações com interesse na área.


Informações e inscrições:
http://www.facinlab.com/simposio.htm
www.ipiaget.org
Doutora Cristina Sousa
Mestre Sónia Gonçalves
Telf. 212 946 250 (ext.313)
Fax. 212 120 352
csousa@almada.ipiaget.org
sgoncalves@almada.ipiaget.org

Paulo Lopes disse...

A "Península" quer fechar deixando-nos náufragos isolados na ilha
da tristeza…. Se achares que essa é uma má ideia passa em
http://talvezpeninsula.blogspot.com/ e deixa o teu comentário.
Sugiro uma frase comum:
“Península. Não vás.”
Explicito e complicado, não é?
Passa a palavra.
Obrigado.

thesarcasticway disse...

www.blogesporto.blogspot.com